Exemplos de superação na vida e no esporte:




Olá amigos, como estão? Seguiram as dicas relacionadas na semana anterior e já estão praticando  alguma atividade física? Se não, chegou o momento de começar! Você precisa superar suas barreiras, exatamente como fizeram muitos atletas olímpicos. Hoje vou trazer alguns exemplos dignos de força, determinação, planejamento e superação de atletas brasileiros que fizeram história para você novamente se inspirar e ao final, tornar-se vitorioso(a)!


Sabemos que para realizar nossas metas precisamos vencer vários tipos de obstáculos que a vida nos impõe. Barreiras como falta de dinheiro, falta de tempo, excesso de estresse, entre outras dificuldades que põem à prova a nossa força de vontade e nos fazem dar ainda mais valor às nossas conquistas.


Dificilmente algo que não demandou suor e empenho gerará prazer igual à conquista de algo que nos deixou diversas noites sem dormir.

Portanto, busque ver nas barreiras impostas pela vida algo que lhe fortalecerá e transformará a realização de seus sonhos em algo ainda mais especial. Olhar para trás e enxergar um trajetória aberta em meio às dificuldades faz da sua conquista algo admirável e prazeroso.


Os medíocres, aqueles que fazem apenas o que é comum e corriqueiro, têm imensa dificuldade em enxergar que por trás de toda dificuldade há uma oportunidade única.

Portanto, encare as barreiras da vida com bom ânimo e determinação. São elas que fazem com que objetivos maiores sejam alcançados apenas por aqueles que têm disposição e energia para enfrentar o caminho das pedras. São elas que fazem aflorar os verdadeiros campeões.

Tenha confiança e siga em frente. Faça valer a sua determinação, acima de todos os medos e dúvidas que tentam assombrá-lo. Precisamos seguir o exemplo das correntezas de um rio:



Também podemos tirar exemplos fantásticos de superação de obstáculos na  olimpíada realizada aqui no Brasil, no Rio   de Janeiro, onde determinados atletas venceram todo o medo, o preconceito, a doença, a pobreza, a falta de confiança de muitos e até a depressão,  para dar a volta por cima e se tornarem vitoriosos. Eis  6 grandes exemplos de superação e determinação:

1- Rafaela Silva



Desta moça determinada saiu a primeira medalha de ouro do Brasil nestas olimpíadas. Nascida em 1992, Rafaela Silva é atleta da seleção brasileira de judô, titular da categoria – 57kg, e 3º Sargento da Marinha do Brasil. A história da judoca que coleciona títulos importantes começa em 1997, quando tinha cinco anos de idade. Rafaela morava na comunidade carente Cidade de Deus, na zona oeste do Rio de Janeiro, e começou a praticar judô na associação de moradores do bairro.

Aos oito anos, chegou ao Instituto Reação, projeto do medalhista Olímpico Flavio Canto e onde treina até hoje. Rafaela encontrou o experiente Geraldo Bernardes, seu técnico e um dos seus maiores incentivadores. A judoca brasileira superou bravamente o preconceito racial após a eliminação nas olimpíadas de Londres.  E, no Rio, chegou ao lugar mais alto do pódio, conquistando a medalha de ouro, após derrotar a judoca da Mongólia, Sumiya Dorjsuren, então líder do ranking mundial. Com isso, ela se tornou a primeira atleta da história do judô brasileiro, entre homens e mulheres, a ser campeã olímpica e mundial.



2- Diego Hypólito 
















Diego nasceu no ABC paulista Santo André, região metropolitana de São Paulo, e mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro ainda criança. Aos sete anos, teve seu primeiro contato com o esporte no Clube de Regatas do Flamengo, o mesmo em que sua irmã Daniele treinava. Por insistência dela, especializou-se nos exercícios de solo, no qual conquistou seus primeiros títulos como infantil e mais tarde como júnior.

Em 2005, sofreu uma lesão na tíbia da perna direita, o que causou a interrupção de seus treinamentos por seis meses. No mesmo ano, retornou ao desporto duas semanas antes do Campeonato Mundial de Melbourne.

Em 2009, durante o Troféu Brasil, caiu em seu treino na barra fixa, tendo que abandonar a competição e passar por uma cirurgia. Depois de cair de bunda em 2008, de cara em 2012, Diego caiu de pé na Rio 2016, como o próprio rapaz disse, após ganhar a sua medalha de prata. O ginasta brasileiro sofreu depressão, mas  deu a volta por cima de maneira brilhante e levou a medalha de prata na final do solo da Ginástica Artística. Um espetáculo de superação, beleza, e força de vontade. 


3- Poliana Okimoto 


Poliana é uma maratonista aquática brasileira. Nos Jogos Olímpicos  do Rio 2016 se tornou a primeira nadadora brasileira a conquistar medalha olímpica com um bronze na natação. Poliana é 3º Sargento do exército brasileiro. Nada desde os dois anos de idade e começou a competir com sete. Durante uma competição, levou um tapa na orelha que acabou machucando seu tímpano e obrigando que ela fizesse cirurgia e ficasse um tempo sem nadar.


Há quatro anos, nos Jogos Olímpicos de Londres, Poliana passou por um dos momentos mais difíceis da sua carreira. Apesar da temperatura nem tão fria assim das águas do lago Serpentine, no Hyde Park, o corpo de Poliana não suportou o frio. Na quinta das seis voltas previstas, ela levantou o braço – o sinal de desistência. Poliana deixou a prova em cadeira de rodas, com um quadro de hipotermia. Esse fato praticamente a levou à depressão meses depois. A atleta brasileira deu uma verdadeira volta por cima na sua carreira no Rio 2016, conquistando a medalha de bronze nos Jogos. Com determinação e fé ela superou seus obstáculos!


4- Alison Conte Cerutti 

Alison (esquerda na foto) é um jogador brasileiro de vôlei masculino. Ele nasceu em Vitória, aqui no  estado do Espírito Santo, no dia 07 de dezembro de 1985 e é um exemplo de determinação e força dos capixabas!! :))) Uhulllllll

Começou a jogar vôlei no tradicional clube capixaba Álvares Cabral, em 2001. No ano seguinte, foi pré-selecionado para a seleção brasileira infanto-juvenil que disputaria o Campeonato Sul-Americano da categoria. Em 2004, depois de assistir aos jogos de Loiola e de Fábio Luiz, principais representantes do Espírito Santo nas areias, começou a pensar em trocar de quadra. Em 2005, decidiu começar a jogar vôlei de praia e seu primeiro parceiro foi o conterrâneo Vinícius. Jogou ainda com Bruno Schmidt, Bernardo e Harley, antes de iniciar parceria com o campeão olímpico Emanuel, em 2010. Uma dupla vitoriosa, que ganhou praticamente todos os títulos possíveis, e que ainda conquistou a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Londres/2012. 


A dupla acabou desfeita no final de 2013, momento em que Alison anunciou Bruno Schmidt como seu novo parceiro. Nos primeiros jogos, em uma partida disputada sob garoa na Arena de Copacabana, foi marcada pelo sofrimento de Alison, que sentiu o tornozelo direito ao tentar um bloqueio na metade do primeiro set. O jogador caiu na areia e precisou de atendimento médico. Alison voltou ao jogo e ficou mancando até o último ponto. Apesar de ter levado uma medalha olímpica em Londres, a de prata ao lado de Emanuel, Alison deu a volta por cima no Rio 2016. Dessa vez, junto com Bruno Schmidt, Alison Cerutti, levou a medalha de ouro no vôlei de praia e consagrou-se como grande guerreiro e campeão olímpico! Muito orgulho! :))))

5- Isaquias Queiroz


Canoísta de apenas 22 anos, fez história ao se tornar o primeiro brasileiro a conquistar três medalhas numa mesma edição de Olimpíada e sua história de vida é recheada de obstáculos que foram vencidos. Isaquias cresceu em Ubaitaba (a cerca de 370 km ao sul de Salvador), cidade de 20 mil habitantes localizada numa região que no passado era habitada por índios tupiniquins.

Cortada pelo Rio das Contas, que deságua no destino turístico de Itacaré, a cidade leva a canoa até no nome: sua denominação resulta da união dos vocábulos indígenas ubá (canoa pequena), y (rio) e taba (aldeia, cidade). Foi lá que Isaquias deu as primeiras remadas. Aos 19 anos, em 2013, Isaquias alcançou o topo da canoagem mundial pela primeira vez, com ouro no C1 500m e bronze no C1 1000m. O maior canoísta do Brasil teve que superar uma série de obstáculos até a participação vitoriosa nos Jogos do Rio, que abre um possível novo capítulo olímpico para Tóquio-2020. 

Aos três anos, ele sofreu um acidente com água fervente. Uma jovem que cuidava de Isaquias enquanto a mãe trabalhava como servente na rodoviária havia colocado água para ferver, a panela virou e atingiu a criança.Com graves queimaduras, Isaquias passou um mês internado e quase foi desenganado pelos médicos, mas acabou se recuperando.
O pai de Isaquias morreu quando ele tinha apenas dois anos, e a mãe, Dilma, cuidava dele e de outros nove irmãos e irmãs (cinco biológicos e quatro adotados). Ao trabalhar, ela às vezes deixava as crianças trancadas em casa. Um dia, Dilma foi chamada no trabalho porque Isaquias estava sumido. Ficou preocupada porque uma mulher já havia ameaçado levar o menino, que foi encontrado depois, sozinho e chorando, em uma roça de cacau. Em 2004, aos dez anos, um ano antes de começar a praticar canoagem, Isaquias tentou escalar uma mangueira para ver uma cobra morta. Desequilibrou-se e caiu de costas sobre uma pedra. Com hemorragia interna, o menino precisou ser internado em UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e teve um dos rins retirados, o que lhe obriga hoje a ingerir muito mais água do que o normal. O fato também fez nascer o "Sem-Rim", como passou a ser chamado na cidade.

Em julho de 2011, com apenas 17 anos, Isaquias conseguiu seu primeiro feito histórico na canoagem brasileira: foi campeão na C1 200m e vice no C1 500m no campeonato mundial júnior, realizado naquele ano na Alemanha. Era o ano em que Isaquias havia deixado Ubaitaba e ido viver no Rio de Janeiro, e enfrentou problemas para se adaptar à nova rotina de treinamentos, poucos amigos e dinheiro escasso. Acabou não sendo incluído na equipe que disputaria o Pan-Americano de Guadalajara (México), em outubro. Revoltado com a ausência, ele voltou à cidade natal sem ter autorização e foi suspenso da seleção. Voltou a treinar apenas no ano seguinte e também ficou fora dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012.

Em setembro de 2013, após faturar um ouro (C1 500m) e um bronze (C1 1000m) no Mundial de Canoagem, Isaquias publicou um texto no Facebook reclamando de falta de reconhecimento da Confederação Brasileira de Canoagem. "Estou pensando seriamente em abandonar a canoagem. Já não aguento mais apresentar bons resultados e não ter mudanças significativas em minha vida", escreveu.
Na época, a confederação negou que tivesse prometido prêmios, reconheceu que ainda havia "muito a ser aprimorado" em relação a apoios e disse que continuaria dando suporte a Isaquias.  No Rio, finalmente,  a hora de Isaquias chegou! Nesta Olimpíada, remando sozinho, Isaquias conseguiu prata na C1 1000m e bronze na C1 200m (o 'c' vem de canoa, o primeiro número se refere ao número de atletas e o segundo, à distância da prova em metros). E ao lado de Erlon de Souza, foi prata na C2 1000m. Um atleta cuja história não nega o vencimento dos obstáculos, sendo o primeiro brasileiro a conquistar três medalhas olímpicas nos jogos do Rio de Janeiro. Um vitorioso que não desanimou, mesmo diante de tantos e difíceis obstáculos em sua vida! Um exemplo de persistência!

6-  Robson Conceição


Quando criança, Robson Conceição, sonhava em lutar. Não no ringue, mas nas ruas do Carnaval de Salvador.De porte franzino, decidiu que tinha que aprimorar suas técnicas para levar a melhor sobre outros meninos. O objetivo era alcançar o mesmo nível de prestígio do tio materno, um dos maiores brigões da capital baiana.

Um amigo que já treinava boxe passava as técnicas ao menino, à época com 13 anos, no quintal de casa. A manopla (espécie de almofada que os boxeadores usam para golpear nos treinos) era improvisada com uma sandália de borracha. A atadura, usada por debaixo da luva para proteger o punho, Conceição conseguia no pronto socorro ao forjar pequenos acidentes.

Criado pela avó no bairro de classe média baixa de Boa Vista de São Caetano, Conceição trabalhou como vendedor de picolé, ajudante de cozinha e feirante. Na noite anterior às suas lutas, Robson, costuma ficar sozinho num canto, mentalizando os golpes que irá desferir quando o combate acontecer... Às vezes faz isso deitado, no escuro. Em outras prefere pensar no banho. Dá socos imaginários na água e simula movimentos de esquiva. Tudo isso para manter o foco até o momento decisivo.

Com ele, o Brasil foi pela primeira vez campeão no boxe olímpico. Robson Conceição conquistou o ouro na categoria até 60 kg e pode-se dizer que esse ouro começou a ser conquistado muito antes dessa Olimpíada devido ao seu esforço contínuo e tenaz!


Essa não foi a primeira Olimpíada do Robson, foi a terceira. Nas duas anteriores, ele foi eliminado na primeira rodada, mas ganhou força, foco e experiência. E na última terça-feira (16 de agosto), o que se viu foi um lutador seguro, maduro, no auge da forma, e que venceu de forma incontestável. É um super campeão que venceu com garra e determinação!


Portanto, queridos amigos, lembrem-se que a águia voa alto e enxerga longe. Assim, reflexione bastante em busca de autoconhecimento e tenha sonhos grandiosos, voe alto, tenha disciplina no planejamento, e seja corajoso ao entrar em ação na busca da sua meta. 

Tenha fé no seu próprio potencial, acredite em você, e saiba que agindo assim, você alcançará, infalivelmente, tudo aquilo que almeja e será vitória certa na vida! 

E antes de ir, assista a esse belo exemplo de superação de Gabrielle Anderson, na maratona feminina de  Los Angeles (1984) que mais emocionou até hoje, em todas as olimpíadas  até então ocorridas.


Agora,  veja a bravura de Derek Redmond, nos jogos  olímpicos de 1992, na Espanha, que teve uma ajuda de peso para concluir seu maior objetivo.  Beijos e até mais!! 



Fontes de inspiração: Wikipédia com a biografia dos atletas  mencionados e Site Para refletir.
Imagens do Google Imagens e videos do You Tube

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada!

10 comentários:

  1. Nós não somos um rio para contornar problemas, mas sim um ser pensante que faz da inteligência a superação de todos os entraves. Transformemos a dor do fracasso em um antídoto contra os maus pensamentos que nos impedem as conquistas. Existem dificuldades para todas as pessoas, pois até aquelas que julgamos donas de tudo, vivem em busca de um pedacinho de felicidade. Pense que quando você deseja alguma coisa o seu subconsciente ouve e leva seu pedido a tua capacidade de concretização. Não há nada fácil nesta vida, por isso é que devemos ser heróis e vencer a tudo e todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Alfeu!
      É muito bom ter a sua participação em um artigo tão importante para nós que prezamos pela vida e pela saúde não é amigo?

      Na verdade, o rio contorna as pedras para atravessar as barreiras mais suavemente e assim que devemos encarar os problemas: atravessando de forma contundente, forte e não se deixar render ou abater pelas adversidades da vida!! Creio ser uma ótima analogia para a nossa vida!!!

      Bela reflexão amigo, obrigada pela presença sempre tão motivante!
      A inspiração vem dos nossos atletas olímpicos que nunca se deixaram abater mesmo diante de tantos problemas que encontraram na vida. Superaram todos e seguiram em frente para tornarem-se vitoriosos!! É uma ótima fonte de inspiração!!!

      Um grande abraço e um belo final de semana Alfeu!!

      Excluir
  2. Oi, Adriana! Que linda esta homenagem aos medalhistas olímpicos! Você sempre antenada e motivando as pessoas para que tenham uma vida mais saudável. Para mim, seus posts são sempre uma inspiração e um encorajamento. Parabéns e muito obrigado por compartilhar estas informações sobre estes atletas vitoriosos!

    Um grande beijo e um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sergio, é um prazer quando aqui vem amigo!!

      Ah , é verdade querido, como o tema central do blog é atividade física, os esportes retratam um bom motivo para homenagear atletas que se superaram!
      E assim, quem sabe, motivar aqueles que querem encontrar um caminho para a prática da atividade física, mas por uma série de motivos, ainda não conseguiram!!!

      Adorei sua participação querido, muito obrigada, de coração!
      Um beijo e um ótimo final de semana!! :))))

      Excluir
  3. Olá, querida Adriana, boa noite...vero, a vida não é fácil para ninguém e a superação dos obstáculos estão diretamente ligados à vontade de cada um; temos que acreditar que há saída para tudo e que há como superar os problemas e obstáculos. Se pararmos em cada obstáculo que surgir em nossa vida , corremos o risco de perder muitas vezes a realização de uma meta ou sonho e , inclusive, podemos ter uma série de consequências bem piores... claro que não existe uma receita que funcione para todo mundo e à todo momento, mas, o importante é "lutar sempre,vencer talvez, desistir jamais"...sim, todos os grandes atletas relacionados tem uma história de vida , linda e emocionante, com grande destaque para o Diego Hypolito e a Gabrielle Anderson, que mesmo não vencendo , foi "campeã" na arte de superação e determinação, tanto que a campeã da maratona daquele ano, ninguém lembra...(fui pesquisar foi a norte-americana Joan Benoit)...linda e reflexiva postagem, como sempre!
    (de lá> filme de terror no primeiro encontro? se fosse comigo,no mínimo, ficaríamos assustados abraçados,pois, sigo o lema : abraçados no amor, abraçados no terror, hehehe"
    Obrigado pelo carinho de sempre, belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Felis, boa tarde meu poeta querido!!!

      Fico feliz que tenha vindo ver o post especial dos atletas olímpicos brasileiros que tanto se esforçaram para conseguir trazer medalhas inéditas para o Brasil! Sabemos que não é fácil não é?
      A vida é complicada, é difícil e tem tantas coisas que precisam ser superadas com empenho e muita garra! São lições que a gente traz pra vida da gente e aplicamos na vida real!

      Adorei sua reflexão amigo, é sempre enriquecedor quando vem aqui, pois deixa de uma maneira tão suave, agradável e sutil todas as suas impressões sobre o texto! Obrigada!!!
      Você tem toda razão Felis, a história dos atletas é magnífica! Alguns chegaram para nos trazer lições de vida como a Gabrielle Anderson que como você disse ( muito bem lembrado por sinal) foi a "campeã" da Maratona naquele ano, pois todos se lembram dela, mas ninguém lembra ou sabe quem foi a legítima vencedora que angariou o primeiro lugar da prova! Ainda bem que você pesquisou e nos trouxe a vencedora ( Joan Benoit) que eu não sabia ...rsrs

      Hahahaha é verdade, foi um verdadeiro terror esse encontro...kkkkkkkkkk
      Aí sim, abraçados, pelo menos seria uma proteção e um amparo contra os sustos que foram tão medonhos que traumatizei para a vida toda...kkkkkkkkkkkk

      Adorei Felis, você sempre com um humor tão contagiante que traz alegria pra vida da gente!!!
      Desejo igualmente um final de semana maravilhoso!!!
      Muito obrigada!!!
      Beijos!! :))))))

      Excluir
  4. Grande postagem, Adriana! E todos esses medalhistas venceram uma avalanche de obstáculos mesmo. De todos os tipos, diga-se. Medalhistas com muito mérito. Pena que as meninas do futebol e do vôlei não conseguiram. Torci muito. bjãooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Sérgio, querido amigo!
      Fico muito feliz que tenha vindo ver os nossos atletas olímpicos entre tantos outros que mereciam uma palavra de carinho por se dedicarem ao esporte e fazerem dela a sua vida!

      Tem razão, pena que as meninas do futebol e o do vôlei não ganharam uma medalhinha, mas elas lutaram bravamente e o apoio a elas jamais deverá cessar, pois são batalhadoras e incansáveis!! :)))

      Obrigada pelo carinho amigo!
      Tenha uma semana espetacular, com muita energia positiva!
      Beijos!

      Excluir
  5. Parabéns pela postagem maravilhosa, querida Adriana!
    Não tinha visto ainda o último vídeo e fiquei arrepiada ao assisti-lo.
    Impressionante a força de superação desses atletas, que lutam e persistem apesar de tudo
    e, principalmente, da falta de apoio. Um exemplo para todos nós, que costumamos fraquejar por muito pouco.
    Você fez uma grande e merecida homenagem aos nossos medalhistas, orgulho de todos nós.
    Uma postagem motivadora e digna de aplausos.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde querida Vera!
      Eu fico muito feliz com a sua presença querida, é sempre uma honra para mim!
      Ver os medalhistas olímpicos se esforçarem tanto para atingir o objetivo é uma grande fonte de inspiração para nós não é mesmo?

      Assim, quando nos sentirmos desestimulados em alcançar algo que pretendemos, podemos mirar nessas atitudes e buscar forças nelas! A homenagem aos atletas foi merecida e ainda faltaram tantos outros cuja dedicação fez história!!!
      Ah, é verdade, o primeiro vídeo é de arrepiar e deve ser um dos que mais representam o espírito olímpico da força infinita de vontade em vencer, em alcançar a linha de chegada!

      Agradeço demais seu carinho minha querida!
      Desejo uma semana plena, repleta de muita alegria e bastante espírito esportivo e motivador!!
      Beijos!! :))))

      Excluir

Fique à vontade para expressar seus sentimentos e sugestões.
Você é sempre muito bem-vindo(a)! Obrigada e Abraços!

Tecnologia do Blogger.