O Último dos Moicanos - A Trilha Sonora de um Filme Épico!







Oi amigos, que tal começar a semana com algo épico? Sim, um filme que recomendo, principalmente pela belíssima trilha sonora. Uma vez assisti a um documentário mostrando a importância do som e da trilha sonora no cinema.  Eles colocaram algumas das mais famosas cenas de suspense de Alfred Hitchcock com e sem a música. A diferença era tão grande que a falta da música anulava a cena e mesmo o mais genuíno suspense já produzido em todos os tempos se tornava risível. A trilha sonora e os efeitos de som que se misturam à música são a alma do cinema. O filme pode até ser mudo, mas não sem uma trilha sonora. Você sentirá um arrepio na  pele ao ouvir o som de O Último dos Moicanos.




Antes de você ouvir a trilha do filme, farei um resumo histórico do tema. 

TÍTULO DO FILME: O ÚLTIMO DOS MOICANOS (The Last of the Mohicans), EUA, 1992
DIREÇÃO: Michael Mann
ELENCO: Daniel Day-Lewis, Madeleine Stowe, Russel Means, Eric Schweig. 122 min.
TRILHA SONORA:  Trevor Jones e Randy Edelman. O tema principal foi baseado na melodia The Gael, do cantor e compositor escocês Dougie MacLean.

Em 1757 franceses e ingleses na Guerra dos 7 anos (1756-1763) lutam pela posse de terras na América do Norte, usando como soldados índios de diferentes tribos. Hawkeye, filho adotivo de Chingachgook e pertencente à tribo dos Moicanos, consegue salvar as duas filhas de um oficial britânico do ataque dos índios Huronos e as acompanha até o forte William Henry, tomado pelos franceses. Cora, uma das jovens, se apaixona por Hawkeye, que, junto a sua tribo, representa a última esperança também para os ingleses.
Heyward (O Último dos Moicanos) e Cora
CONTEXTO HISTÓRICO

A Guerra dos 7 Anos, que serve como "pano de fundo" para o filme envolveu franceses e ingleses entre 1756 e 1763, na disputa de uma série de territórios da Ásia, África e principalmente América do Norte.

A ação da história se passa em 1757 durante a Guerra Franco-Indígena (parte da Guerra dos Sete Anos) nas montanhas de Adirondack no que era então a colônia britânica de Nova York. Três homens estão viajando para o oeste para encontrar um novo lar. O mais velho é Chingachgook, o último chefe da tribo dos moicanos. Com ele, estão seu filho Uncas e um filho adotivo, um homem branco chamado Nathaniel Poe, que também atende pelo nome de Nathaniel Hawkeye. 

Hawkeye e Uncas  (Irmãos Moicanos)


Enquanto isso, o major Duncan Heyward, do exército britânico, chegou em Albany. Ele foi enviado para servir o coronel Edmund Munro, o comandante do forte William Henry, no Lago George, um ponto importante da defesa de Nova Iorque contra os franceses no Canadá. A Heyward, também foi dada a tarefa de escoltar as duas filhas do coronel, Cora e Alice, até o forte onde seu pai está no comando. Ele é um amigo da família, e pede Cora em casamento antes de sair. Ela não lhe dá uma resposta.

O major Heyward, as duas mulheres e uma tropa de soldados britânicos, em seguida, marcham pelo campo direto para o forte. Eles são liderados por um único guia, Magua, um guerreiro da tribo Huron. Inesperadamente, Magua conduz o grupo a uma emboscada, onde todos são mortos exceto Heyward e as mulheres. A luta, no entanto, é interrompida pela chegada de Chingachgook e seus filhos, que matam os guerreiros inimigos mas permitem que Magua fuja. 

Major Duncan Heyward com Cora e Alice

O major e as mulheres agora estão sem guia. Os moicanos e Hawkeye concordam em acompanhá-los pelo resto do caminho. Durante esta caminhada, Cora começa a formar um vínculo com Hawkeye, o que preocupa Heyward. Quando eles chegam perto do forte, eles percebem que este está sitiado pelos franceses. Eles conseguem entrar na fortaleza durante um bombardeio e são recebidos pelo coronel Munro. Este pede reforços ao major Heyward. O coronel admite, para Heyward e os outros, que o forte está prestes a cair. Cora e Hawkeye compartilham um beijo apaixonado. Heyward começa a suspeitar de atração de Cora para Hawkeye e fica com ciúme. Em resposta, Cora, finalmente, diz-lhe que não vai se casar com ele.

Neste contexto, surge também uma linda história de amor e proteção surge entre o moicano Uncas e Alice, que é uma das partes mais delicadas e tristes do filme:  amor e dor, impossibilidade de ficar juntos,  uma espécie de Romeu e Julieta... Você precisa assistir para entender...


 Uncas "Você não pode proteger todos, mas eu tenho que tentar"


Prosseguindo, o forte cai, mas o general francês, Louis-Joseph de Montcalm, garante, aos soldados britânicos, passagem segura para Albany. É revelado que Magua e seu exército de hurões estão com os franceses. Em uma reunião secreta, Magua revela seu ódio pelo Coronel Munro, e seu desejo de vingança pelo assassinato de sua família. No dia seguinte, o Coronel Munro e todos presentes marcham com a guarnição britânica do forte. No campo, Magua e seus guerreiros hurões emboscam os britânicos, e Magua mata o Coronel Munro. Hawkeye e os moicanos lutam e conseguem retirar Cora, Alice e Heyward da batalha, embora Magua, depois, capture o major e as mulheres, levando-os como prisioneiros. Em uma aldeia de hurões, Magua apresenta as mulheres e o oficial a um sachem, um chefe, na esperança de ganhar o reconhecimento como um líder de guerra. Mas seus apelos são interrompidos por Hawkeye, que veio para defender a vida dos prisioneiros. Finalmente, o sachem ordena que Heyward seja vendido para o francês, Alice seja dada a Magua e Cora queimada viva. Em um último gesto de afeto, Heyward se dispõe ser executado no lugar de Cora.

Mais tarde, ao longo de trilhas íngremes da montanha, Chingachgook, Uncas e Hawkeye seguem e atacam o grupo de Magua para liberar Alice. Uncas é morto e jogado para baixo da montanha e Alice pula para baixo após ele em desespero. Num único combate com Chingachgook, Magua é, rapidamente, derrotado e morto.

Alice: "Se nós caímos, nós caímos juntos..."


No fim, durante um ritual fúnebre com Hawkeye e Cora, Chingachgook reza para o Grande Espírito em nome de Uncas, observando que ele é, agora, o último dos moicanos.

A ARREPIANTE TRILHA SONORA



Trevor Jones, autor da música  entendeu desde cedo, que a trilha sonora de um filme é a alma dele. Ele nasceu na Cidade do Cabo, Africa do Sul, em 1949 e morava defronte a um velho cinema que frequentemente tinha problemas com o som, que falhava durante a exibição. O compositor de trilhas sonoras fortes e incrivelmente expressivas como a do filme “O Último dos Moicanos” e em “Em Nome do Pai” talvez tenha surgido nesse contexto.

Ouça abaixo a música do filme “O Último dos Moicanos”. É de uma força e de uma beleza extraordinária, como a dos personagens do filme, especialmente Daniel Day-Lewis, que passou 6 meses na selva, caçando e pescando antes da filmagem para incorporar o personagem que vive no filme junto com Russel Means, seu pai índio, o irmão Eric Schweig e a bela Madeleine Stowe, que tem um papel forte e expressivo.



Daniel Day-Lewis, que passou 6 meses na selva, caçando e pescando antes da filmagem 

A música chama-se Promentory. Ela marca uma longa cena de mais de 8 minutos – do momento em que eles escapam da aldeia Huron ao momento que Chingachgook mata Magua. É a variação de uma dança irlandesa em um apaixonante movimento contínuo, enquanto a orquestra desenvolve ao fundo o dramático tema principal do filme.

Embora o resultado tenha sido extraordinário (eu realmente gosto desse filme) a produção, dizem, foi bastante conturbada, verba e prazo estourados e o estúdio pressionando contra o perfeccionismo de Michael Mann. E Mann, que tinha encomendado a Jones uma trilha sonora com música eletrônica, resolveu mudar de última hora (ainda bem!) para música orquestral.

Com os constantes cortes e montagens da edição, Jones teve que reescrever a música várias vezes para adequá-la ao timing do filme. Com tudo isso, já havia produzido mais de 50 minutos de boa música mas não conseguiu atender a todas as mudanças de último minuto e, com a data de lançamento iminente, Randy Edelman foi chamado para completar a trilha sonora em cenas menores e recebeu a co-autoria nos créditos. Por essa desastrada razão uma das mais incríveis músicas de cinema tornou-se inelegível para concorrer ao Oscar.


A música de Trevor Jones é de uma força e um impacto tão grande que em contraste deixa a de Randy Edelman a ver paisagens.


No vídeo abaixo,  fiz uma edição com muitas das cenas do filme. E vai dar para você sentir o impacto do espetáculo da música
 Promentory. Eu acho uma das músicas mais impressionantes do cinema. O tema principal do filme é dramaticamente desenvolvido pela orquestra em segundo plano e acaba se sobrepondo à dança, que no final é retomada pelo violino. É um espelho do que acontece no filme, em meio ao drama da guerra. É simplesmente grandioso... Linda semana amigos!!



Inspiração: Wikipédia, A música do filme O Último dos Moicanos, imagens do Tumblr e Google

Seu comentário é muito bem-vindo! Obrigada!

6 comentários:

  1. Acredita que nunca vi, Adriana??? Mas todo mundo elogia. Preciso ver. E agora sou o top um dos comentaristas??? Adorei!!!!! bjssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sérgio, esse filme é grandioso, você precisa assistir!! Você vai adorar!!
      Tem batalhas, índios lutando pelo seu espaço, muito amor, intenso sofrimento, tudo que uma boa película cinematográfica precisa para ser incrível!! E a trilha sonora é de arrepiar!! :)))))

      Sim, você é o SUPER TOP COMENTARISTA!!!! SIM, SIM, SIM!! VIIIVA!!
      Ainda farei uma big festa aqui no blog para comemorar amigo querido!!
      Você é como no filme, tornou-se o Último dos Moicanos, o único dos amigos que ainda está aqui, sempre acompanhando!! E ademais, iremos muito longe ainda!! Estamos sempre juntos, aqui e em seu cantinho mágico DE OLHO NOS DETALHES, onde aprendo tudo e me divirto demais!!
      SOMOS A RESISTÊNCIA DOS BLOGS!! rsrs Uhulll NÃO DESISTIREMOS JAMAIS!!!
      Maravilhosa semana Sérgio querido!!
      Muitos beijos!!! :)))))

      Excluir
    2. Feliz demais com isso!!! Dri, me manda um email pq quero tirar duvidas com vc sobre esses ícones de redes sociais e o de textos e comentários. To com umas duvidas. bj
      spos@globo.com

      Excluir
    3. Olá Sérgio, tudo bem? Desculpe o atraso, fim de ano deixa todo mundo louco! rsrs Amigo, que coincidência, pois também estou tendo uns probleminhas aqui no blog com desaparecimento de widgets que param de funcionar sem um motivo aparente...Tenho quase certeza de que seja uma mudança na plataforma do Blogguer e no Google em geral! Tomara que eu consiga te ajudar amigo, pois eu também estou um pouco perdida com essas alterações! Inclusive eu não consigo mais fazer comentários em uma série de blogs amigos. Espero que seja passageiro!! Lindo final de semana querido!! Beijos!!!

      Excluir
  2. oi Adriana:
    tudo bem com você ?
    este filme é bom mesmo né.
    Lembro quando eu vi fiquei muito impressionada .
    faz tempo isso.
    precisava ver novamente , ainda bem que você nos trouxe esta dica de volta.
    espero que esteja tudo muito bom por aí.
    um grande abraço.
    :o)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eliane, quanto tempo querida!! Nossa!! Estava com saudades!!
      Sabe, tem pouquinha gente me visitando aqui no blog, não sei bem o motivo...
      Talvez seja a dificuldade em fazer comentários... Mas de qualquer forma fico tão feliz quando minhas amigas retornam!! Obrigada querida! :))))

      Sim, esse filme é fantástico, vi novamente neste último feriado e fiquei louca para colocar minhas impressões sobre ele, pois a trilha sonora é vibrante!!
      Eu estou bem, todos um pouco cansados, mas bem, com saúde, graças a Deus!!
      E você querida, tudo bem?
      Um super beijo e um final de semana maravilhoso!! :))))

      Excluir

Fique à vontade para expressar seus sentimentos e sugestões.
Você é sempre muito bem-vindo(a)! Obrigada e Abraços!

Tecnologia do Blogger.